Cartas da Bessarábia: Philos lança sua terceira produção inédita em novembro


Documentário, em parceria com a GloboNews, apresenta a jornalista Leila Sterenberg em uma jornada de descoberta pela antiga Bessarábia, terra de seus avós paternos

 

 

De onde viemos? Quem somos? O que é ser de algum lugar? "Cartas da Bessarábia", produção dos canais Philos e GloboNews, tenta responder essas perguntas que permeiam a história de muitos brasileiros descendentes de estrangeiros. Indagações que viajaram na mala da jornalista Leila Sterenberg para a Bessarábia, hoje República Moldova –  país mais pobre da Europa, em seu primeiro documentário. O resultado dessa viagem em busca das origens familiares é a nova produção criada especialmente para o canal online e on demand, que estará disponível para os assinantes a partir de 4 de novembro.

Durante o percurso de quase 2.500km de estrada e seis línguas diferentes, Leila se deparou com os mais diversos personagens, desde tecelã, artista plástico e ciganos, até filósofo, historiador, cientista político, jornalista e diplomata. Ao conversar com cada um deles, fez descobertas e uma grande reflexão sobre nacionalidade, identidade cultural, preconceito e pertencimento.

O filme conduz sua narrativa norteado por perguntas que acompanham desde sempre a humanidade e que levaram a jornalista Leila Sterenberg a uma jornada pelo mundo desconhecido da Bessarábia, atual República Moldova, terra de seus avós paternos. Foram 18 dias percorrendo a Romênia e a Moldova, examinando o passado, buscando encontrar vestígios de uma história desenhada apenas por cartas e lembranças. 

"Apresentamos uma Romênia que se aproxima em muitos aspectos do Brasil, seja na corrupção, seja no caos estético das fachadas dos prédios, seja na preponderância do automóvel particular sobre o transporte coletivo. A Romênia, assim como o Brasil, viveu a escravidão. Ambos são frutos de projetos nacionais da elite que passaram por ditaduras traumáticas", conta Leila.

O documentário mostra ainda a região da Transnístria, um lugar que dificilmente permite filmagens de estrangeiros. Pela relação de Leila com o lugar – sua avó paterna morreu lá – ela conseguiu entrar com sua equipe.  Tecnicamente, a Transnístria é um país que não existe, pois se declarou independente em 1990, mas não é reconhecido pela comunidade internacional. Leila e equipe também passaram pelaGagaúzia, um território semiautônomo da Moldova. Lá vivem pessoas de etnia turca oriunda da Bulgária, com língua própria, além do russo. O lugar mantém boas relações com Rússia e Turquia, países que não se relacionam de forma amigável. 

"Fui a primeira pessoa da família a voltar àquelas bandas, desde que meus avós saíram de lá nos anos 30. Muitos judeus brasileiros vieram da tal Bessarábia, mas poucos são os descendentes que sabem onde fica e o que aconteceu com o lugar", comenta Leila.

O filme apresenta uma Romênia que está longe do roteiro turístico. A ideia é fugir do estereótipo das viagens à região e abordar temas como vestígios da colonização romana no começo da era cristã; a superposição de culturas, que incluem saxões e húngaros na Transilvânia; os ciganos e sua música; os artesãos e homens do campo, tão distantes do glamour das grandes capitais do Velho Mundo. 

Sent with SndLatr for Gmail

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Gloob lança mais uma maratona Gloob Duni Tê

Netflix anuncia projeto ainda sem título: nova série infantil animada inspirada em músicas clássicas da Motown

FOX: DESTAQUES DA PROGRAMAÇÃO 1 A 7 DE AGOSTO DE 2016