Anatel e MCTIC defendem implantação de política de promoção da banda larga


O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, indicou, na 16ª Edição Seminário Políticas de Telecomunicações que se realiza hoje (14) em Brasília, que a política de telecomunicações poderia abordar a cobertura de banda larga nas estradas e rodovias. Ele citou o caso da Rodovia Presidente Dutra, que liga as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, no qual a concessionária da rodovia provê cobertura na sua extensão.

No evento, o secretário de Telecomunicações do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), André Borges, apresentou os quatro grupos definidos pelo Ministério e pela Anatel que devem ser executados nos próximos 10 anos. São eles: backhaul, estrutura de transmissão de grande volume de dados, em fibra ótica ou rádio em todos os municípios; implantação de telefonia móvel de 3G ou superior em locais distantes das sedes municipais; instalação de 4G em todas as cidades abaixo de 30 mil habitantes; e ampliar os domicílios que possuem acesso em fibra ótica até 30 megabits, principalmente em comunidades carentes com alta densidade populacional.

Para a efetivação desses objetivos, André Borges lembrou da necessidade dos recursos resultantes das alterações da concessões de telefonia fixa para autorizações, que está na dependência de acordo do PLC 79/2015 que se encontra em trâmite no Senado. Juarez Quadros informou que o preço justo para a transição será avaliado pelo fluxo de caixa descontado das empresas resultante das alterações. Para ele, a principal oportunidade para a mudança regulatória ocorreu em 2010 quando da renovação na época dos contratos de concessão e, enfatizou, que não será mais possível em 2020 e nem em 2025, quando do fim das concessões.

Para o presidente da Telefônica, Eduardo Navarro, a empresa tem interesse na implantação de banda larga em rodovias, mas hoje o modelo privilegia a implantação da telefonia fixa que se encontra em  declínio. Juarez Quadros lembrou que, desde 2006, a telefonia fixa está em queda no mundo e que desde 2014 há redução da quantidade de telefones fixos no Brasil.

Fust  - Além da mudança do marco das telecomunicações, o secretário de Telecomunicações do MCTIC citou também a revisão do Fundo de Universalização das Telecomunicações (Fust) para adequar as regras do Fundo para a expansão da banda larga ou a possível criação de um fundo a ser gerido por uma entidade privada. O presidente da Anatel foi claro ao afirmar que acredita no modelo de funcionamento do fundo similar ao Fust nos Estados Unidos. Segundo ele, o fundo norte-americano é administrado por uma entidade privada e realmente é aplicado ao fim a que se destina.

TACs - Em relação aos investimentos, Juarez Quadros lembrou dos Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) que estão em análise no Tribunal de Contas da União (TCU). Ele citou o TAC da Telefônica que prevê sobre o valor acumulado de multas de R$ 2,2 bilhões e investimentos de R$ 2,7 bilhões, o que resulta em investimentos de R$ 4,9 bilhões. No entanto, o presidente da Anatel deixou claro que o PLC 79/2015 e os TACs da agência reguladora são fatos distintos, uma vez que os TACs estão sob normas estabelecidas pela própria Anatel.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Netflix anuncia projeto ainda sem título: nova série infantil animada inspirada em músicas clássicas da Motown

FOX: DESTAQUES DA PROGRAMAÇÃO 1 A 7 DE AGOSTO DE 2016

Gloob lança mais uma maratona Gloob Duni Tê